Saber onde estar e como fazer. Saber o quê e quando se quer. Odysseas em Guimarães… de grande nível!

A confirmação: Odysseas Vlachodimos está diferente (para melhor) e tudo o que faz parece ser natural e com confiança. No ar, no espaço, no chão. Na defesa de baliza ou em situações complexas – que antes eram problemas no seu jogo – como cruzamentos ou bolas na profundidade. O que mudou? O que se quer ser/fazer e como fazer. 

O SL Benfica no primeiro jogo em 2020 foi vencer em Guimarães, o Vitória SC, por 1-0 e para tal contou com um grande (e completo) guarda-redes.

Num vídeo de “resumo” das maiores acções com/sem bola do guardião, reparem nos posicionamentos e como não há passos em falso ou hesitantes. A confiança no posicionamento era tal que só partia para a acção seguinte (com bola) com as certezas que resolvia. Curiosamente a bola “mais fácil” que teve, em acção técnica, foi aquela em que as mãos não estavam firmes como se pedia. Mas a sua reacção ao erro foi tão espontânea que a defesa para evitar o golo surgiu de forma natural.

Existem passes longos mas, principalmente, duelos ganhos no ar em que a grande base dos mesmos foi o seu posicionamento inicial no momento do cruzamento que “levam” o corpo, de forma natural, ao duelo no ar e de forma equilibrada. Existem defesas na baliza em que se destaca uma grande defesa a um remate de Evangelista. Existe uma bola cortada fora da área de cabeça – e um cabeceamento forte! – para impedir novo perigo do adversário. E tudo isto foi imposto por si desde o início da partida em que as bases foram todas correctas, coerentes e tão importante quanto isto tudo… confiantes.

A confiança que Ody tem neste momento no seu jogo é incrível. E isso transparece para a própria equipa. Tem sido recorrente durante esta época, e temos vindo a escrever isso mesmo aqui.

Mas o elogio ao seu trabalho e evolução são tanto para o atleta como para quem o estimula e treina, o treinador de guarda-redes Fernando Ferreira (na imagem em destaque).

E que bom é ver este Odysseas, mais completo, e que pode ser uma lição para os jovens. O seu número de erros diminuiu drasticamente porque passou a ser dono e confiante de si mesmo e nas funções a executar no campo. E isso tem um reflexo directo no rendimento. 

 

Por Gonçalo Xavier, Fundador e Gestor d’A Última Barreira e Treinador de GR.

Facebook Comments