A “estranha” baliza da Alemanha no Mundial’18

Um suplente, um capitão e lesionado a época toda e um dos melhores da actualidade. Respectivamente Trapp, Neuer e Ter-Stegen

Kevin Trapp:

Há 3 épocas no PSG, a sua importância no clube tem vindo a decrescer. Primeira época quase totalista, na segunda com um pouco menos de jogos e esta temporada foi relegado para o banco de suplentes a maioria do tempo para jogar o francês da formação do clube Areola, sendo a maioria dos jogos efectuados pelo alemão nas taças. (10 no total em Taças, e apenas 4 jogos na liga francesa).

Em mau momento actualmente (em teoria) pelo rendimento abaixo na época desportiva no seu clube, mantém a confiança de Low que já o tinha convocado para a Taça das Confederações que a selecção alemã conquistou em 2017.

Manuel Neuer:

A pior época de sempre, na sua carreira de profissional, para um dos melhores do mundo (ou mesmo o melhor). Fez apenas 3 jogos e já foram no ano passado no início da época. Isto no clube pois jogou esta semana a primeira vez desde então, na derrota no amigável contra a Austria por 2-1.

Convocado desde o Mundial 2010, surge nesta convocatória com a confiança total de Low que garantiu que, se estivesse em condições, iria à Russia… e até seria titular. (ver aqui)

O capitão e a alma do último Mundial conquistado em 2014 (que até o ajudou a ser nomeado para um dos três melhores do mundo), tinha de ser convocado estando em boas condições ou não por tudo o que representa. Aparentemente surge em boas condições mas o trauma de um ano parado ainda paira no ar…

Ter-Stegen:

É quase unanimemente um dos melhores guardiões da actualidade. Ganhou tudo internamente pelo Barcelona e tem cimentando a sua posição no topo com muito trabalho e mérito desde a época passada.

Decisivo na conquista das Confederações 2017, tem sido o número 2 de Neuer desde quase sempre. E mesmo neste momento, em melhor forma, não consegue conquistar o posto… apenas na ausência do gigante alemão é que consegue. Pela qualidade actual… talvez merecesse melhor confiança.

O grande ausente: Bernd Leno

O guardião de 26 anos do Leverkusen, tem sido uma das figuras do clube alemão. Desde o Euro’16 que tem sido convocado para a selecção mas nunca correspondeu na selecção o que fazia no clube. Talvez por este motivo, apesar do rendimento desportivo no clube e a sua importância no mesmo, que não merece a confiança de Low.

Vítima de muitos amigáveis com muitas mudanças das equipas em que se integrava mas, principalmente, pela sua insegurança nesses jogos demonstrada em contradição com a confiança e qualidade no Bayer.

Uma baliza da Alemanha que está cheia de bons nomes mas que vivem momentos totalmente distintos…

Facebook Comments