III Conferência Treino de Guarda-Redes de Futebol em Poiares

Pela segunda edição seguida, A Última Barreira teve o prazer de ser convidada para participar no evento como divulgadora nas suas redes sociais. Temos o maior prazer de aceitar o convite endereçado pelo mister Vitor Salgueiro, um dos grandes mentores de um evento que anualmente reúne mais de 200 pessoas e de forma gratuita.

Este ano, no primeiro dia do fim-de-semana dedicado aos guarda-redes (2 Junho), o painel de prelectores e de guardiões era de luxo.  Na mesa de abertura surgiam, como habituais, Vitor Salgueiro e o presidente da Câmara de Vila Nova de Poiares, e ainda o padrinho deste ano: Pedro Roma, da FPF. Como treinadores convidados estiveram presentes: Pedro Ferrer (Shijiazhuang), Ricardo Pereira (ex-Standard Liege), António Ferreira (Shakthar Donetsk), Rui Barbosa (Wolves) e Miguel Miranda (Sporting CP). Tudo grandes nomes do treino de guarda-redes específico, reunidos no final da manhã – após respectivas palestras teóricas – para uma mesa redonda.

Pedro Ferrer

  • Fez a ligação entre momentos de jogo, ofensivos e defensivos, falando da sua experiência na China.
  • Referiu a importância do treinador, e do gr, entenderem o jogo e a forma como actua a equipa.

Num dos momentos mais curiosos do dia, Pedro Ferrer quando mostrava exemplos de exercícios onde existissem estas variações de momento de jogo, desenhou num quadro esses mesmos . E em treino saiu exactamente como previsto no desenho:

Rui Barbosa

  • Equilíbrio entre antecipação e reacção

Decisão só após a bola partir e treinar este estímulo e reacção ao mesmo. Falou das suas experiências profissionais esta época no Wolves, campeão na 2a liga inglesa, e de como precisava de mudar muitas características de base do titular (Ruddy) e fazê-lo sair mais da zona de conforto, por exemplo, em cima (ou atrás) da linha de golo para um posicionamento quase perto da pequena área.

Além disso falou de temáticas relevantes como a relação entre treinador principal, específico e guardião que precisam estar alinhados para tudo resultar na mensagem a passar.

António Ferreira

Planeamento da pré-época foi o seu tema e a forma como o executava e pensava.

Como o campeonato ucraniano tem uma longa paragem no Inverno, existem duas pré-épocas para a equipa e grs:

  • 1º pré-época, mais táctica – de acordo com jogos de grande exigência de início de época: normalmente supertaça ucraniana, Champions, etc
  • 2ºpré época, mais física, porque no mês parados os grs estão (em teoria) totalmente parados e sem ritmo e é preciso voltar ao mesmo.

Para si o micro ciclo (treino resistência, força, reacção, etc) pode ser resumido, em vez de por dias da semana, por semanas do mês e depois apenas alterar os exercícios e contextos dentro de cada temática.

Miguel Miranda

Falou da estrutura geral do departamento de grs jovens do Sporting CP, falando em definição dos exercícios fechados ou abertos e de como se pode aumentar complexidade:

Sempre com 2 momentos de jogo (remate + cruzamento, por exemplo), do mais analítico ou predefinido (onde o gr já sabe o destino da bola) para o mais complexo, situação aberta e aleatória. Este seguinte video é um exemplo do último caso:

Ricardo Pereira

“As entrelinhas do exercício”

O ex treinador de gr do Standard, falou de como geriu os guardiões esta época no clube belga (já falámos deste tema aqui)

Numa apresentação mais de experiências do que teoria pura, falou de como era gerir dois gigantes das balizas (Ochoa e Gillet) e como os treinava durante a época e a comunicação que tinha com os mesmos. Já na parte prática, coube-lhe a difícil tarefa de aquecer os guardiões, sendo os exercícios abaixo alguns exemplos, retirando assim tempo à sua parte prática em concreto.

A manhã terminou com a mesa redonda, com todos os treinadores e moderado pelo jornalista Ricardo Chambel, sobre a escola de grs portuguesa além fronteiras e como se deve tratar (ou não) os nossos guardiões e como devem ser, abrindo uma discussão bastante interessante entre treinadores e plateia.

 

Facebook Comments