A atitude em campo como arma de camuflagem.

Na recepção e linha de passe recuada, na distribuição calma e ponderada (e até no drible), na ocupação da área e ir à maioria das bolas… Renan Ribeiro encheu – pela atitude – o campo da Amoreira na vitória por 2-0 do Estoril contra o Sporting, ajudando a impor a primeira derrota leonina nas competições internas esta época.

A atitude e o domínio da vertente psicológica, além da técnica (mas que precisa de ser concretizada para fazer sentido), é um grande passo para a imposição em campo de um atleta. E foi essa mesma a estratégia de Renan Ribeiro esta tarde contra o Sporting. Já mencionámos alguns dos momentos onde mostrou tal atitude mas foi na distribuição (principalmente) que tal foi potenciada. Deu a tranquilidade quase total – mesmo que pressões defeituosas da equipa contrária – no primeiro momento da organização da equipa, procurando sempre os triângulos com a defesa.

Além disso, a atitude foi também visível fora dos postes, nas saídas pelo ar e pelo chão… Como é exemplo deste lance:

(video)

O posicionamento alto e a tomada de decisão levada até ao limite, com coragem e atitude, foi recompensada. Teve sorte de não entrar a seguir? Talvez. Mas foi coerente com a sua ideia para este jogo… e foi premiada. A longo prazo se terá resultado? Veremos. A curto prazo resultou a táctica tomada… Dominou a arte da camuflagem a curto prazo. E para tal ajuda um adversário frágil (e desesperado) para marcar a todo o custo e que se precipitava nas tomadas de decisão.

Eis outra defesa que foi facilitada com o posicionamento mais alto:

  • Gonçalo Xavier – A Última Barreira

Foto: Carlos Alberto Costa

Facebook Comments