Começa dentro de dois dias (a 20 de Maio) o Mundial sub20 que se disputa este ano de 2017 na República da Coreia.

O vencedor da edição passada, Sérvia, bateu o Brasil na final e teve na baliza um dos principais destaques de toda a competição: Pedrag Rajkovic. Este ano, são muitos os guarda-redes talentosos e alguns já com provas dadas… ao mais alto nível. E outros que ainda esperam a oportunidade para tal. Será este o momento de brilharem? Ficam alguns destaques…

1- Alban Lafont (Toulouse/França)

Com 18 anos feitos em 2017, o guardião do Toulouse fez quase todos os jogos na principal liga francesa esta temporada sendo um dos grandes destaques da equipa. Apareceu na equipa na época passada ajudando a garantir a manutenção. Surge nesta convocatória como um dos favoritos à titularidade… só não é garantida a sua presença como titular pois como concorrência tem o jovem Bernardoni que tem mais experiência e rotação nas lides internacionais pela França e que podia ser um dos destaques aqui neste artigo. Lafont tem uma elasticidade e rapidez acima da média e prefere reagir dentro dos postes a antecipar-se fora dos mesmos. Surge motivado numa equipa que quer voltar às grandes vitórias nas camadas jovens internacionais…  Está valorizado em 6.5 milhões de euros e é um dos mais valiosos na competição…

2- Pedro Silva (Sporting CP/Portugal)

Surge nesta convocatória e competição como um dos guarda-redes mais consolidados na sua ainda curta carreira tal a experiência que tem adquirido entre os escalões do Sporting e titularidade nas camadas jovens portuguesas. Na linhagem da baliza leonina, é muito forte no 1×1 e não tem medo de ser testado em qualquer circunstância de jogo que impliquem remates. Ainda está a melhorar a capacidade em sair a jogar pelo chão. Apresenta uma capacidade mental acima da média e foi mesmo um dos melhores elementos do último Europeu de sub19 no ano passado. Pode dar muitos pontos a Portugal…

3- Freddie Woodman (Newcastle/ Kilmarnock FC /Inglaterra)

Todos os anos vai ser referido como uma das maiores promessas da baliza inglesa até estar num palco maior e provar-se a si mesmo… e aos que lhe atribuem esse futuro. O guardião foi emprestado no início deste ano aos escoceses do Kilmarnock FC e a experiência não podia ter corrido melhor na sua grande experiência (até ao momento) no escalão de seniores. Referência da sua geração, tem sido a aposta incontestável da Inglaterra nas últimas competições jovens e foi mesmo destaque no Europeu sub17 ajudando a bater Portugal que tinha nomes como Renato Sanches e Ruben Neves (por exemplo). Inteligente e com uma classe acima da média, faz tudo parecer perfeito dentro da sua área. Autoritário, comunicativo, trás a paz necessária à sua defesa e não compromete. No Newcastle dizem que ele será o futuro guardião do clube… Irá parar ao plantel principal na próxima época? Talento não falta…

4- Alessandro Plizzari (AC Milan/Itália)

Este podia ser Donnarumma… mas nasceu no tempo errado. Plizzari é um daqueles guarda-redes que se paga para ver de perto. Um felino em todas as suas acções, é capaz neste momento da sua carreira do mais incrível e adora ser levado ao limite pelo adversário. Sente-se confortável com tal pressão e a “solidão” deixa-o desconfortável. Porque ele gosta de estar presente no jogo e isso por vezes expõem-no mais do que era suposto. Era o terceiro guarda-redes do AC Milan esta época com 16 anos (tem 17 neste momento) e jogava na equipa junior/B do clube. Aí tinha uma média maior que 2 golos sofridos por jogo e talvez por isso… possa não ser uma grande aposta nesta competição e ser apenas o preparar do futuro. Este podia ser um passo necessário, a sua aposta, para na próxima época ser emprestado a um clube senior da 1º/2ºliga italiana e crescer como guarda-redes isto se Donnarumma se mantiver no clube milano. Mas este jovem… é incrível.

5 – Santiago Mele (Fenix A / Uruguai)

É uma das fotocópias mais perfeitas de Muslera mas que tem tudo para ser “apenas” o… Santiago Mele.

O elogio está feito e a analogia é caracterizadora do seu talento. Ele sente-se confortável longe da baliza e procura em todos e quaisquer momentos cortar ângulo de remate ao adversário. O adversário não pode respirar um segundo sequer nem ter tempo para pensar um remate perfeito. Forte no 1×1, tem as características perfeitas para ser um guarda-redes tanto de antecipação como de reacção. E ele está ainda a pisar misturar estes estilos que se forem bem coordenados e complementados… dá na perfeição. O espectáculo é o seu nome do meio e a eficácia tende a ser o último, apesar de ainda não estar nesse espaço de momento. Se bem ajudado na frente… pode ser uma das boas surpresas deste Mundial.

Ficam lançados alguns nomes, muitos já com provas dadas e outros à procura ainda disso. Começa este fim-de-semana e tem transmissões cedo (em Portugal) na RTP1 e Eurosport.

  • Gonçalo Xavier – A Última Barreira
Facebook Comments