O segredo da Longevidade: Quim – Rendimento vs Experiência.

O espectáculo que é o futebol, nestes dias que correm, parece, cada vez mais, necessitar de guarda-redes inteligentes ao invés daqueles guardiões novos e muito ágeis que dão show em quedas e voos. Estes cada vez mais estão a surgir, um pouco por todo o lado, e tem brilhado muito mas,  pessoalmente e talvez para a maioria de nós, o prazer de ver uma boa defesa em voo dá-nos a volta à cabeça e ficamos maravilhados com a eficácia vs beleza das defesas que vemos por estes campos fora.

Hoje trago aqui um assunto que me importa muito e que me deixa realmente aborrecido quando ouço falar sem conhecimento de causa e quando não se pensa antes sequer de proferir certas palavras. Ouve-se muito este tipo de afirmações. ” Um GR aos 33/34, mais tardar, 35 está velho e não vai dar nada à equipa.” ou ” a partir dos 30 os jogadores são velhos.” E ainda esta que é muito deliciosa (ironia) – ” está acabado para o futebol.” Não posso ficar indiferente em ouvir este tipo de afirmações e não existem argumentos suficientes que suportem esta tese ridícula. É aí que entra o meu exemplo de hoje… Quim.

O Guarda-redes com grandes defesas feitas nos nossos campeonatos. Hoje conta com 41 anos de idade e brilha ao serviço do Desportivo das Aves! Além de uma carreira profissional de excelência onde subiu sempre a pulso, aprendendo sempre com os seus erros, personificava em si tudo o que eu aprecio num guarda-redes. A alma e carácter que transmitia dentro dos postes era inconfundível! O estilo e a audácia. Quim foi para mim um exemplo em qualquer equipa que tenha passado, mas sobretudo agora um exemplo pela longevidade, pela qualidade e pelo carisma único de um homem que de facto sente o futebol como poucos.

A questão do rendimento passa muito pela óptica de quem treina. Quem está de fora nunca terá noção da semana de trabalho, da estabilidade emocional. Tudo condiciona o jogo. Quando novos os gr fazem muito à base só no instinto e do reflexo mas por vezes a leitura do jogo e noção de posicionamento mais estratégico perde-se… mas isso ganha-se com a experiência. Com vários minutos de jogo. Com a vivência de muitas jogadas , de muitos remates. De muito olho aberto para qualquer acção que possa vir a qualquer momento. E para mim pode existir rendimento sempre independentemente da idade e sobretudo com a experiência de muitos gr que actuam nas principais ligas de países extremamente competitivos. Para mim Quim é o exemplo de persistência, trabalho e muito gosto na posição e profissão que escolheu.

Após a afirmação em Braga , a passagem pelo Benfica e o retorno a casa, o guardião aceitou um projecto na Segunda Liga Portuguesa, que a meu ver é uma liga extremamente difícil e competitiva e é por isso que acompanho e sigo atentamente. Aceitou o projecto do Aves, há quatro épocas atrás e desde aí foi sempre titular indiscutível desta equipa. Realizou por volta de 140 jogos e foi considerado dois anos consecutivos o “Melhor GR da Segunda Liga”, 2 anos seguidos, repito dois!Para um homem acima dos 37 anos! E hoje aos 41 continua a dar rendimento. Continua a transmitir segurança. A comunicar com os seus companheiros como ninguém!

Em reportagem à Sport TV, todos os seus companheiros o elogiaram (e muito) este senhor. O Senhor Joaquim. O que achavam rude e com a ” p*** da mania só porque vinha do Braga” mas não era. Nada disso era verdade. A simplicidade e dinâmica de um homem destes fez render por completo a cidade de Santo Tirso. Fizeram lhe a questão mais pertinente e é isso com que fecho mais um artigo meu. Questionaram :” E quando pensa por um ponto final na carreira?”. Ao que responde: ” depois de ganhar este prémio de melhor gr, como é que posso acabar aqui a minha carreira? Não posso… Isto só me motiva ainda mais. Porque eu gosto de jogar e sinto me bem a jogar. Ajudo a equipa. Como é que posso acabar agora? Agora não dá…” Esta diferença entre ser humano e gr não se dissociou nunca e para mim é a única coisa em falta nas mentalidades actuais. O trabalho , o suor , sangue e lágrimas elevam-nos. E todas as conquistas começam na decisão de tentar. E de facto nada melhor do que as decisões deste Senhor para terminar dizendo que a idade não passa de um número quando o corpo e a alma estão interligados no mesmo sentido. Não há velhos nem novos no futebol. Existe experiência. Isso sim pode fazer a diferença. De agora em diante , sejam gr de 20,30 ou 40 nunca mas nunca julguem a qualidade baseada num número. Julguem antes pelo contributo ou falta dele.

  • Ivan Moreira
Facebook Comments