Os estereótipos continuam em pleno Século XXI e com eles, de forma igual, permanecem pensamentos de tal forma retrógrados como também falaciosos.

Então um guarda-redes não pode ser treinador? É gritante, tal como revoltante, continuar ouvir isto. É menos competente que um lateral ou avançado (por exemplo) para o cargo de treinador principal? Ainda hoje surge o pensamento que se foi guarda-redes… tem, se quer continuar no ramo, de ser treinador de guarda-redes! Mas todos os treinadores desta posição específica foram guarda-redes? Muitos deles nem foram, apenas têm a paixão e estudaram para potenciar o gosto pela posição. São menos competentes por isso? Não, claro que não. É a magia do desporto.

Tudo o que seja colocar algo num saco como se fosse tudo igual é errado pela sua base. As generalizações por vezes surgem de exemplos errados e, ao longo do tempo, permanecem intactas sem base de verdade e sem alguém as contestar. Existe uma posição em específico de campo para se ser futuramente treinador de campo? Quem dita se um avançado ou médio pode ser melhor treinador do que um guarda-redes? Como se chegam a essas conclusões? Bem sabemos o que é… o desprezo contínuo por esta posição vê-se por estes “pormaiores”. Preud´Homme recentemente com um trabalho notável no Club Brugge, Zoff com uma Itália atraente no Euro’2000 ou Taffarel que assumiu a liderança da equipa principal do actual campeão turco… e já é a segunda vez!

E isso vem até quando os melhores jogadores do ano são na maioria das vezes os melhores marcadores. Os anti-heróis raramente entram na equação e pode-se dizer que nesta realidade actual onde só interessa quem marca golos, ver Neuer num Top 3 apenas ultrapassado pelos “extra-terrestres” Ronaldo e Messi, sabe bem… receber essa notícia… algum reconhecimento muito fruto de um Mundial soberbo onde saiu campeão mundial. Mas parecia ter sido um passo à frente, depois da competição designada como a dos guarda-redes. Mas não, tudo igual.

Relembramos qual a posição do guarda-redes no campo. Ele está num canto e vê tudo, certo? Ele tem que ter uma % de tomada de decisão acima da média, caso contrário existem golos. Caso contrário há derrotas. Caso contrário… não há herói. É o jogador mais criticado nos jogos quando erra, o menos valorizado e o que menos sofre de análises criteriosas, talvez pela falta de conhecimento na matéria. Tem treino específico, no sentido táctico, técnico e psicológico. É especial por todas as razões e mais algumas… não é só porque tem a camisola diferente.

E não serve para treinador? O que define um treinador? Capacidade de gerir uma equipa no sentido táctico, técnico e psicológico. Saber gerir recursos humanos pela comunicação e liderança, saber interpretar o jogo, saber adivinhar o que os outros poderão fazer. Escusado será dizer qual o elemento em campo que mais tem estas características não é? Saber lidar com a pressão, saber ler o jogo, comunicar uma defesa e também equipa, ter o sentido de superação de forma contínua…

Talvez sejam predicados a mais não? Mas não chega claro… para muitos o guarda-redes é apenas um boneco no meio de um jogo divertido. Mas é o mais inteligente, e não o mais gordo. Pensem nisso e reflictam e acima de tudo… não sofram dos estigmas que se criam, muitos deles nem fundamentados são. Se acham que não um guarda-redes não pode ser treinador, que o fundamentem.

Até lá… silêncio apenas é o requerido. 

 

Facebook Comments