O primeiro convidado d’A Última Barreira para falar do treino de guarda-redes no Brasil e também da sua carreira e experiência foi o Professor Ronaldo Gontijo Filho, que nos recebeu de braços abertos para uma agradável conversa. Das maiores desilusões até aos êxitos, mostrou toda a sua qualidade como ser humano e da qual agradecemos profundamente a abertura para esta entrevista que foi mais uma conversa entre amigos.

UB: Para começar então… Porquê ser treinador de guarda-redes? Qual o seu passado antes disso e qual o caminho até chegar aonde chegou neste momento?
RGF: Decidi ser Treinador de Goleiros devido a minha história, pois fui Goleiro em categorias de base (formação) e chegando até em equipe principal, não segui devido a minha estatura não estar dentro dos padrões exigidos. Resolvi então mudar os planos e me capacitar como Treinador e ajudar na formação e evolução de goleiros em todos os níveis. Estudei Educação Física aqui em meu estado, onde abriu mais possibilidades de trabalhar em clubes e equipes de base e Profissional. Desde então eu venho exercendo essa função.
UB: Por curiosidade, qual a sua altura?
RGF: Tenho 175 cm, sempre fui goleiro bem aplicado, mas realmente não estaria em um bom nível de altura.
UB: Sentia que mesmo tendo qualidade e sendo aplicado, não teria o sucesso que merecia?
RGF: Bom, aqui no Brasil muitas vezes eliminam goleiros de boa técnica e capacidade devido a uma estatura que não querem nos clubes. Por cobrança interna e até por ” exposição ” de um atleta mais baixo do que o padrão. Alguns atletas que têm 183/84 são liberados de clubes mesmo tendo potencial para serem trabalhados. No meu caso foi realmente uma escolha particular e lógico que sabendo que teria maiores dificuldades a enfrentar. Não me arrependo pois hoje faço a minha profissão com maestria.
UB: Difícil… como eu compreendo isso (sou bastante baixo e deixei por essa razão mesmo…)
RGF: É realmente uma escolha difícil
UB: Então a experiência como treinador está a ser boa! Conte-me um pouco dos seus feitos e resultados nos seus jogadores!
RGF: Como Treinador de Goleiros sempre tive bons frutos devido ao Trabalho intenso, aplicado de forma sistêmica e direcionada, através de experiência prática, e posteriormente teórica, onde a cada ano eu pude observar melhor cada atleta e evolução da posição. Fiquei na categoria Profissional por 6 anos onde obtive títulos, acessos e boas revelações no gol, goleiros que se dedicaram muito, principalmente nas grandes disputas contra os “grandes” clubes como Atlético Mineiro, Cruzeiro Esporte Clube, América Mineiro, e logicamente os duelos contra os rivais em Minas Gerais. A cada temporada surgiram novos goleiros com potencial, onde no final eram ovacionados pela torcida e media em geral.
Destacando os goleiros Leandro Alcacis e George Xavier que fizeram história no clube.
UB: Qual o clube profissional, já agora?
RGF: Trabalhei no Guarani Esporte Clube( Divinópolis) de 2010 até 2015, clube onde fomos campeões e tive acesso(2010), posteriormente ficando na primeira divisão no Estado de Minas Gerais. Fui responsável pelo trabalho nesses últimos anos em todas competições estaduais e nacional.
Entre indas e vindas passei em outros clubes também na categoria principal.
UB: Quando diz categoria principal, diz no futebol sénior certo?
RGF:Sim, não sei ao certo a nomenclatura que usam aí em Portugal, semelhante aos clubes como Benfica e Sporting que tem as equipes de formação, e os que são principal( jogam a ligas do país, champions etc.) Aqui no Brasil são divididas em categorias de base( até 20 anos) e principal ( onde os atletas se profissionalizam)
UB: Sim sim, era o que pensava afinal! E agora  que está na academia de guarda-redes… está apenas aí ou também em algum clube?
RGF: Hoje faço parte da Muralha Academia de Goleiros do Victor do Atlético Mineiro. Atuo na coordenação técnica e treinamentos. Como mudei de cidade, hoje estou apenas por lá. Mas quem sabe em breve possa estar em algum clube de ponta também.

Foto na Academia de guarda-redes do Victor

Não teve como conciliar duas atividades em cidades distintas.

UB: Muito bem…. Quais as perspectivas futuras? Qual o maior prazer que tira desse novo local de trabalho?
RGF: Minha perspectiva é de aplicar o verdadeiro sentido do treino de Goleiros, onde formamos além de atletas corajosos, astutos, líderes, donos de suas ações, Homens de Bem e honestos. Se possível dentro da formação na Academia, mas também em equipe de rendimento. Meu maior prazer em estar na Muralha, é de poder aplicar um trabalho inovador, atual, que tem métodos, diretrizes, e projeção. Lá eu tenho também a função de ajudar a formar novos Treinadores de Goleiros, pois temos uma equipe de professores, capacitação durante todo ano, pautas atuais, discussões que permeiam a nossa Profissão. E no final, ver tudo isso dar certo, tendo a aprovação e motivação vinda do Goleiro Victor, que é hoje uma referência quando se fala em Goleiros
UB: Muito bom, é bom ver projectos desses de raiz em prol desta posição surgirem, para que haja mais “Victor’s ” depois! Por fim, qual a sua opinião sobre o guarda-redes brasileiro, e qual o melhor no Brasileirão? Têm condições para tomar a baliza brasileira? E qual o melhor no resto do mundo que prefere?
RGF: Que assim seja. O goleiro no Brasil aprendeu muito, evoluiu como o esporte, mas ainda não está completo em alguns aspectos. Principalmente no que diz respeito ao jogo como os pés, questão que é tática e cultural, mas temos bons valores aparecendo devido à imensa procura por atuar na baliza. Tecnicamente são uma referência, faltando mais sobre ser inserido como jogador no sistema taticamente. No Campeonato Brasileiro o Goleiro que me encheu os olhos foi o Weverton do Atlético Paranaense. Para nossa seleção queria ver Diego Alves novamente, junto com Victor e mais um jovem que poderia ser integrado à um trabalho de médio prazo. Sou admirador do futebol europeu em geral, hoje pela importancia e por ultrapassar os ano sempre jogando bem destaco Gianluigi Buffon.
UB: Se pudesse deixar uma palavra aos jovens goleiros, no Brasil e na Europa, o que diria?
RGF:A minha palavra seria para sempre buscarem os objetivos com inteligência, dedicação e muita confiança! Respeitando a sí e seus Treinadores.
UB: Muito obrigado Professor pela fantástica conversa!
RGF: Eu que agradeço a oportunidade e atenção. Espero ter ajudado e contribuir com a Última Barreira e logicamente com os goleiros e seus treinadores.
Ficam alguns videos do seu trabalho na Academia:




Facebook Comments