Uma das grandes alterações na atuação do Guarda Redes no futebol foi a de não poder agarrar uma bola passada com o pé por um colega de equipa. (1992)

Esta regra fez com que o Guarda Redes tivesse de “fazer coisas” que normalmente, ou melhor, muito raramente as faria, resolver situações com os pés.

Hoje em dia faz parte do trabalho diário do Guarda Redes e é mais solicitado num jogo para o uso dos pés do que das mãos.

Uma dessas tarefas é o PASSE RECUADO.

Dependendo da situação existem várias diferentes possibilidades:

Guarda Redes sobre pressão do adversário:

– Despejo; Receção e passe (curto ou longo); Driblar (não muito aconselhado).

Guarda Redes sem pressão:

– Controlo da bola e distribuição (receção e passe).

Existem algumas variáveis que influenciam o sucesso da ação, tal como, a qualidade do passe, a proximidade do adversário, a capacidade de leitura de jogo e antecipação, as condições do terreno, comunicação, a devolução para o pé correto, a devolução para fora da zona de baliza, o movimento dos colegas para facilitar o passe, etc.

Tudo isto deve ser treinado desde forma analítica a forma integrada com equipa. Requer conhecimento do jogo, dos seus princípios, fácil leitura de jogo, ter boa capacidade de receção e passe, lateralidade e confiança.

Qual a importância desta ação no futebol atual?

http://guardaredestreino.blogspot.pt/2015/12/passe-recuado.html

Facebook Comments